O aquecimento global está impactando severamente o clima mundial. A urgência de controlar e limitar esse impacto levou os líderes mundiais a tomarem medidas para buscar a sustentabilidade. O Fórum Econômico Mundial adiou mais uma vez seu evento anual em Davos, na Suíça, devido à pandemia de Covid-19 em andamento, mas seu Relatório Anual de Risco Global 2022 foi publicado conforme planejado. 

O relatório é baseado em insights de mais de 1.000 acadêmicos, empresas, governos, sociedade civil e líderes de pensamento, bem como 12.000 líderes nacionais, sobre sua percepção de risco no curto, médio e longo prazo. Os riscos associados às mudanças climáticas, como “clima extremo” e “falha na ação climática”, dominam as preocupações a curto, médio e longo prazo. Por isso, a partir de agora, cada ano é decisivo para a ação climática e o desenvolvimento sustentável. Veja alguns dos principais desafios e oportunidades para a sustentabilidade

1- Sustentabilidade Competitiva

Os consumidores estão mais atentos às suas escolhas. Até agora, a sustentabilidade era como um bônus que ajudava as empresas a construir sua boa imagem. No entanto, com a popularidade entre os consumidores, as empresas serão mais competitivas em relação à sustentabilidade e reduzirão as emissões de carbono para reter seus clientes e incentivar a fidelidade à marca.

2. Sustentabilidade acessível

Com o aumento da inovação e da concorrência, a sustentabilidade será mais acessível no próximo ano. A economia de escala já permitiu que as energias renováveis ​​ficassem mais populares. Isso também será replicável para a sustentabilidade ambiental. Ou seja, essa popularização do que é sustentável não apenas desempenhará um grande papel na redução das emissões de carbono, mas também trabalhará para criar a sustentabilidade como uma norma e não como um luxo.

3. Centrismo de dados

Os dados serão a base da tomada de decisão de agora em diante. Assim, com a concorrência acirrada entre as empresas em direção à sustentabilidade, o foco em análise de dados será muito alto. As divulgações ESG, suas análises e implicações terão um papel importante nas escolhas de investimento das pessoas. A responsabilidade da empresa irá muito além dos acionistas para as partes interessadas.

Essa tendência significa que clientes, investidores e candidatos a emprego estão analisando mais criticamente os esforços de sustentabilidade de uma empresa antes de interagir com eles. As bolsas de valores em todo o mundo buscam um papel maior para pressionar as empresas a descarbonizar. Os Estados Unidos estão analisando a divulgação obrigatória de riscos climáticos e que sua comissão de valores mobiliários e câmbio desenvolva uma regra até o final do ano. O Reino Unido disse que introduzirá relatórios financeiros obrigatórios relacionados ao clima pela primeira vez.

Na Ásia, a bolsa de Cingapura divulgou  um roteiro para que as divulgações relacionadas ao clima sejam obrigatórias nos relatórios de sustentabilidade, enquanto os reguladores japoneses estão avaliando os requisitos obrigatórios de divulgação de riscos climáticos a partir de abril de 2022. A Índia e a China já divulgaram regras obrigatórias de relatórios, enquanto a maioria dos países do Sudeste Asiático está recomendando que as empresas relatem suas emissões, embora os requisitos não sejam obrigatórios.

4. Aumento da demanda por compensação de carbono

A compensação de carbono trata da substituição ou redução das emissões de carbono. Normalmente, as empresas de alta emissão financiam projetos que evitam a emissão de gases de efeito estufa ou os removem. Esses projetos podem variar desde o plantio de árvores até a implantação de tecnologia para capturar as emissões de carbono.

Agora, com a crescente necessidade de desenvolvimento, as empresas de alta emissão se expandirão ainda mais e, por sua vez, serão pressionadas a explorar o mercado de compensação de carbono para compensar esse aumento. Os baixos emissores também aproveitarão isso para expandir mais e/ou trabalhar para reduzir a emissão desses gases.

5. Aumento da demanda por Produtos Verdes

A população mais jovem está mais preocupada com os desafios ambientais que ameaçam se tornarem maiores a cada dia. Acrescente a isso a geração futura e os dois juntos formarão uma parte importante da população ecologicamente consciente. Isso criará uma demanda crescente por produtos verdes em todos os setores – de alimentos a moda e estilo de vida.

6. As promessas líquidas zero das empresas serão colocadas à prova

Avanços na regulamentação forçarão as empresas a começarem a levar a sério suas metas líquidas zero, expondo aqueles que estão fazendo promessas vazias. Uma análise divulgada em outubro descobriu que um quinto das 2.000 maiores empresas de capital aberto  do mundo se comprometeram com uma estratégia net-zero. No entanto, o relatório também revelou que muitas dessas empresas não contabilizam as emissões produzidas por suas cadeias de suprimentos ou dependem de estratégias não confiáveis ​​para compensar sua produção de carbono.

7. Gás natural e energia nuclear prontos para um retorno

A indústria do gás tem sido fervorosamente promovida como uma alternativa ao carvão mais amiga do clima. À medida que a Ásia muda para uma economia de baixo carbono, muitos agora veem o gás como um ‘combustível de ligação’.

A consultoria Wood Mackenzie, sediada no Reino Unido, previu  que a região verá 60% do crescimento da demanda global de gás nas próximas três décadas, com o maior aumento esperado nos mercados emergentes do sul e sudeste da Ásia. O crescimento da demanda de gás natural liquefeito (GNL) é apoiado pelo desenvolvimento de novas infraestruturas de regaseificação, gasoduto e gás para energia.

Nas Filipinas, onde as reservas de gás cada vez menores e a ausência de novas descobertas estimularam a mudança do país para a importação de GNL, o boom de infraestrutura  chega a US$ 13,6 bilhões em terminais de importação planejados, usinas elétricas, portos, instalações de regaseificação e oleodutos.Uma reabilitação global da energia nuclear, que não produz emissões de gases de efeito estufa, provavelmente também ganhará terreno no próximo ano.

A China, o terceiro maior consumidor de energia nuclear do mundo, depois dos EUA e da França, deve  construir seu primeiro pequeno reator nuclear modular para manter sua ambiciosa meta de liderar o mundo em energia nuclear.Dez anos após o desastre de Fukushima , sua participação no uso de energia primária diminuiu, mas mais países tentarão imitar a França, que obtém cerca de 70% de sua eletricidade da energia nuclear.

7. Reciclagem

7.1 Preferência por embalagens feitas com material reciclado

Todas estas iniciativas sustentáveis caminham no mesmo sentido: tornar a economia circularuma realidade no mundo. Conceitos como reduzir, reutilizar e reciclar são e devem continuar fazendo parte de nossas vidas. Em jogo está a sustentabilidade do planeta e seus recursos, tão preciosos e cada vez mais escassos

Um dos objetivos da reciclagem é exatamente esse: preservar o meio ambiente obtendo matérias-primas (secundárias) e incorporando-as na fabricação de novos produtos.

Aliás, muitos dos produtos que utilizamos no nosso dia-a-dia já vêm em embalagens produzidas com a incorporação de materiais reciclados, com a mesma qualidade e versatilidade.

7.2 Uma abordagem mais holística da embalagem

As partes interessadas em embalagens dizem que querem levar até a conversa sobre embalagens sustentáveis ​​além de mais e melhor reciclagem, melhores produtos de uso único ou o melhor material a ser usado.

Hoje, muitas pessoas acreditam que, se uma embalagem for reciclável ou compostável, é mais sustentável. Mas isso nem sempre é verdade. O Oregon DEQ avaliou a literatura de avaliação do ciclo de vida, comparando embalagens recicláveis ​​com embalagens não recicláveis ​​e descobriu que cerca de metade das vezes, a embalagem reciclável teve impactos de ciclo de vida menores do que uma embalagem não reciclável.

Eles obtiveram resultados semelhantes comparando embalagens compostáveis ​​e não compostáveis. Portanto, temos que elevar a discussão ao invés de trocar apenas esse materiais sem causar impacto ambiental positivo de fato.