Pensar de maneira sustentável abrange não apenas imaginar possibilidades de reaproveitamento de materiais, mas também em utilizações práticas desses novos produtos.

Dentro desse escopo, o artesanato sustentável surge como alternativa bastante interessante, pois, além de usar o que seria lixo para a criação de um novo artefato, pode gerar renda ou até mesmo representar nova opção de carreira.

Afinal, o que é artesanato sustentável?

O artesanato sustentável é uma das muitas possibilidades de reúso de materiais que, a princípio, seriam jogados em aterros sanitários ou despejados no meio ambiente . A atividade prevê o aproveitamento de embalagens usadas (vidro, plástico, metais, etc) para a criação de acessórios, objetos e até móveis, com um custo muito baixo. 

Com um pouco de criatividade e técnicas que muitas vezes são passadas de geração para geração, esse artesanato pode ser revendido porta a porta, em feiras ou até mesmo pela internet.

Esse trabalho tem como principal característica a produção manual, o que torna cada acessório único e agrega valor às peças, além de trazer muito da cultura da região em que é produzida. Tal característica chama muito a atenção principalmente de consumidores de outros países que se interessam pelos produtos e pela estética brasileira.

Além de arte, um meio de vida

O artesanato sustentável vai além do reaproveitamento e pode ser visto como fonte de renda. Ele representa uma oportunidade de desenvolvimento artístico e de negócio lucrativo, garantindo até mesmo a sobrevivência de famílias.

Demitida de um emprego no banco e com o marido desempregado, Nelly Cardozzo viu na produção de acessórios uma saída para sustentar os três filhos. Com uma abordagem voltada para o reaproveitamento de materiais e a produção ecológica, a ideia deu tão certo que suas peças são exportadas para a Itália, Portugal e Estados Unidos. Um dos segredos do sucesso da empresária é a preocupação com o desenvolvimento de peças autorais e diferenciadas.

A iniciativa reutiliza cerca de 4 mil garrafas PET por mês, tendo assim um bom impacto ambiental, além de ser uma fonte de renda para Nelly e funcionários. O sucesso foi tanto que a empresa foi case de sucesso do SEBRAE e obteve espaço em publicações como Pequenas Empresas, Grandes Negócios e Isto É Dinheiro.

Nelly Cardozzo / Flavio Costa – Agência SEBRAE

Regularização e benefícios

O trabalho como artesão pode ser formalizado. A categoria de Microempreendedor Individual prevê a regulamentação da atividade, com direito a benefícios como aposentadoria, auxílio doença, auxílio maternidade, entre outros.

Essa possibilidade abre portas para pessoas que tenham interesse em reaproveitar o que é considerado lixo para criar peças únicas. A inspiração pode vir de redes sociais, revistas, fotos, filmes, obras de arte… as possibilidades são infinitas!

Em canais do YouTube, é possível aprender novas técnicas, multiplicando assim as possibilidades de transformação.

Embora ainda haja um longo caminho para que os resíduos plásticos sejam vistos como matéria-prima aproveitável para a criação de novas peças, novas embalagens e acessórios, iniciativas como essa trazem luz para novas possibilidades na gestão de resíduos.

Vale a pena buscar mais informações sobre os processos e possibilidades para um negócio que precisa apenas de um investimento baixo, vontade e criatividade.

Fontes:

https://www.sebrae-sc.com.br/blog/artesanato-sustentavel

https://veganbusiness.com.br/artesanato-sustentavel/

https://sustentavel.com.br/artesanato-sustentavel/

https://dcomercio.com.br/publicacao/s/empresaria-transforma-garrafas-pet-em-bijuterias-sofisticadas